A polícia de Banguecoque, Tailândia, anunciou, este sábado, que deteve o suspeito do ataque de 17 de agosto na capital da Tailândia, noticia a Reuters que cita fonte policial.

Segundo um porta-voz da polícia, Prawut Thavornsiri, o suspeito do ataque é estrangeiro e foi encontrado num apartamento a norte da cidade. Na altura da detenção, o homem, cujo nome não foi divulgado pela polícia, tinha em sua posse vários passaportes falsos e material que poderia ser usado para fabrico de bombas.

"[O suspeito] Parece-se com aquele que estamos à procura. Foi também encontrado muito material que podia ser usado para fazer bombas", acrescentou Prawut Thavornsiri.


De acordo com as autoridades, o suspeito, de 28 anos, e estava no país desde janeiro de 2014. Foi detido por posse de explosivos ilegais.

"É pouco provável que seja terrorismo. Não é um ato de terrorismo internacional", afirmou o chefe da polícia, Somyot Pumpanmuang, em conferência de imprensa, sem no entanto explicar como as autoridades chegaram a essa conclusão.

Por sua vez, o porta-voz da polícia nacional, Prawut Thavornsiri, revelou que estão a ser procuradas mais pessoas e que as evidências apontam para o envolvimento do suspeito hoje detido na segunda explosão na cidade.

"Descobrimos que está relacionado com ambas as explosões. Acreditamos que os suspeitos sejam do mesmo grupo", afirmou Thavornsiri.

A explosão de uma bomba num templo hindu, no centro de Banguecoque, resultou na morte de 20 pessoas, dos quais 14 eram turistas.

O suspeito do ataque foi filmado por câmaras de vigilância a deixar um saco no meio da multidão, em frente do templo hindu, alguns minutos antes da explosão. 

O jovem apanhou um táxi à porta do templo minutos antes de a bomba ter detonado e o taxista que o transportou já foi ouvido pelas autoridades. 

Após o ataque, a polícia tailandesa encetou uma caça ao homem e, segundo Prawut Thawornsiri, porta-voz da polícia nacional, uma  recompensa no valor de um milhão de baht, cerca de 28 mil dólares, foi prometida para quem fornecesse informações sobre o paradeiro do suspeito retratado.  

No dia seguinte, uma explosão na área de Sathorn voltou a abalar a cidade, sem causar vítimas.
 

Explosão afeta turismo no Camboja


A explosão no centro de Banguecoque acabou por ter impacto negativo na indústria do turismo do Camboja, uma vez que é pela Tailândia que a maioria dos visitantes chega ao país, afirmou o ministro do Turismo, Thong Khon. 

“Em termos gerais, há alguns efeitos de contágio na indústria do turismo porque cerca de 40% dos turistas internacionais entra no Camboja através da Tailândia. Esperamos que a situação em Banguecoque volte rapidamente à normalidade”, disse. 


De acordo com o ministro, após o ataque em Banguecoque, elevaram-se as medidas de segurança no Camboja, especialmente nos locais turísticos.