Um tribunal da Tailândia condenou esta quarta-feira a 27 anos de prisão o responsável pelo atentado bombista contra um hospital militar de Banguecoque, em 22 de maio, que causou 21 feridos.

O homem, um engenheiro reformado de 62 anos que trabalhou numa agência governamental, foi dado como culpado de várias acusações que lhe eram imputadas, como atentar em lugar público com a intenção de matar, posse ilegal de armas e montagem de explosivos.

O juiz, que o condenara inicialmente a prisão perpétua, decidiu baixar a pena, considerando que o tailandês ajudou no processo judicial depois de se ter declarado culpado dos vários delitos de que ia acusado, informou o jornal Khaosod.

O homem foi detido em meados de junho e confessou a autoria do atentado após ter sido encontrado material que serviria alegadamente para montar explosivos, na sua residência na capital.

O atentado perpetrado contra o hospital coincidiu com o terceiro aniversário do golpe de Estado na Tailândia, que depôs o governo civil e colocou no poder o chefe da junta militar e atual primeiro-ministro, o general Prayut Chan-ocha.

Após o golpe, Prayut Chan-ocha prometeu realizar eleições no ano seguinte, as quais foram adiadas desde então, com a última promessa a apontar para novembro de 2018.