A conduta do copiloto do avião da Malaysia Airlines que desapareceu, com 239 pessoas a bordo, no passado sábado, está a ser investigada.

De acordo com a agência Efe, Fariq Ab Habid, de 27 anos, não cumpria as normas de segurança da companhia e convidava passageiras para a cabine.

Jonti Roos, sul-africana, contou ao Canal 9, da televisão australiana, que, durante uma viagem entre Phuket (Tailândia) e Kuala Lumpur (Malásia), em dezembro de 2011, passou cerca de uma hora na cabine do avião com a amiga Jaan Maree a convite do copiloto para conversar e fumar.

A Malaysia Airlines mostrou-se consternada pela informação, que terá de confirmar, e pelas fotografias e imagens do incidente.

Fariq Ab Habid, 27 anos, com 2.763 horas de voo, ingressou na Malaysia Airlines em 2007 e era o copiloto do voo MH370 sobre o qual continua a não haver sinais.



Familiares revoltados agridem oficiais

Esta quarta-feira, durante uma conferência de imprensa, familiares de passageiros chineses mostraram toda a sua frustração perante os oficiais da Malásia em Pequim, atirando-lhes garrafas de água.

«Digam-nos a verdade», gritavam.

Durante a conferência de imprensa, Rodzali Daud, chefe da Força Aérea da Malásia, afirmou que o avião pode ter sido detetado por um radar militar a centenas de milhas do local onde desapareceu dos radares de tráfego.

Buscas estendidas ao mar de Andaman

As operações para localizar o Boeing 777 da Malaysia Airlines, foram estendidas ao mar de Andaman, a centenas de quilómetros a noroeste do perímetro de busca inicial, anunciou fonte oficial malaia.

O chefe da aviação civil da Malásia, Azharuddin Abdul Rahman, indicou que navios e aviões realizam buscas na parte sul do Mar de Andaman.

«É uma área muito grande para cobrir (...) não vamos descartar nenhuma hipótese. Temos de olhar para todas as possibilidades», explicou, em declarações à agência noticiosa AFP.

Japão junta-se aos esforços de busca

O Japão ordenou o envio de um avião militar - um Hercules C-130 - para a costa da Malásia, para se juntar às operações de busca.

Segundo explicou o ministro da Defesa japonês, Itsunori Onodera, em declarações reproduzidas pela agência Kyodo, as autoridades da Malásia solicitaram cooperação face à falta de aviões suficientes para apoiar as operações de busca.

O avião militar poderá partir esta quarta-feira mesmo da base aérea de Komaki, na prefeitura Aichi.

Vietname suspende buscas aéreas por avião desaparecido

O Vietname anunciou esta quarta-feira que suspendeu as buscas aéreas, enquanto aguarda a clarificação das autoridades de Kuala Lumpur sobre uma potencial nova direção das operações que envolvem uma dezena de países.

«Decidimos suspender temporariamente algumas atividades de busca e resgate, aguardando por informações por parte da Malásia», disse o vice-ministro dos Transportes, Pham Quy Tieu.

Segundo o mesmo responsável, as buscas no mar prosseguem, embora numa escala menor.