Comovida, Susan agradeceu ao juiz, que se despediu dela com um desejo de «boa sorte».

O caso de Susan Mellen foi reaberto no ano passado pela ação de uma advogada que se dedica a um projeto para investigar casos de reclusos que cumprem pena, mas que podem estar inocentes. Foi ela quem constatou que a testemunha principal que levou à condenação de Susan era um mentiroso convicto.