O Tribunal Supremo espanhol determinou nesta quinta-feira que a Resistência Galega é uma organização terrorista ainda que em fase «incipiente», numa decisão de reduz as penas impostas a quatro elementos do movimento.

Com esta resolução, que reduz as penas iniciais de entre 10 e 18 anos para entre 8 e 14 anos de prisão, o Supremo confirma o essencial da sentença inicial da Audiência Nacional.

«As provas acreditam que os acusados estavam integrados numa organização terrorista, como se demonstra pela impecável argumentação do ministério fiscal», refere o Supremo.

Assim os quatro elementos foram condenados por delitos de integração em organização terrorista, posse de explosivos e falsificação.

Em janeiro, fontes da luta antiterrorista espanhola explicaram que a Resistência Galega tem ativos 15 membros operacionais em vários pontos da Galiza e os seus dois líderes instalados em Portugal, onde terão fabricado muitos dos engenhos explosivos usados nas últimas ações do grupo.

Os dois principais líderes da Resistência Galega, Antón García Matos e María Asunción Losada Camba estarão a viver no norte de Portugal, segundo as mesmas fontes.

Em novembro de 2013, os serviços de informação da Polícia Nacional espanhola detetaram a compra em Portugal de pelo menos seis armas pelos principais líderes da Resistência Galega, segundo notícias da imprensa regional galega.

Entre 2005 e 2013 as autoridades espanholas detiveram 18 membros do movimento, mas destacaram a capacidade de regeneração da estrutura, que conta com suficiente apoio social em algumas zonas.

Referem em especial o apoio do autodenominado «Movimento de Libertação Nacional Galego» (MNLG) e da Assembleia da Mocidade Independentista (AMI), criada pelo próprio García Matos.

A Resistência Galega é um movimento armado, que luta pela independência da Galiza, e que foi criado em 2005, ano da sua primeira ação, quando colocou um engenho explosivo na casa de Francisco Vázquez Pereira, ex-dirigente da AMI acusado de ser delator da polícia.

Desde aí, realizou 34 ações incendiárias ou com engenhos explosivos.

Especialistas destacam que o grupo não procura causar vítimas mortais, mas sim provocar estragos materiais com fins propagandísticos.