As forças especiais curdas resgataram, na última semana, uma adolescente de 16 anos que tinha sido sequestrada por militantes do Estado Islâmico.

A sueca Marlin Stivani Nivarlain tinha viajado para a Síria no ano passado e, mais tarde, entrou no Iraque. A rapariga foi agora resgatada na cidade de Mossul, no norte do país.

De acordo com a informação avançada pelo Conselho de Segurança do Curdistão, a jovem terá sido enganada por um membro do autodenominado Estado Islâmico, que a convenceu a ir para a Síria.

A adolescente, originária de Boras, a cerca de 400 quilómetros de Estocolmo, terá viajado com o namorado de 19 anos sem o consentimento dos pais.

A família e as autoridades suecas pediram ajuda ao Curdistão para localizar Marlin, feita refém pelos jihadistas, que acabou por ser libertada a 17 de fevereiro, depois de uma operação contra o terrorismo conduzida pelas forças especiais curdas no Iraque.

Fonte: Reuters

Marlin encontra-se no Curdistão iraquiano e será transferida para as autoridades suecas para que regresse a casa assim que estejam cumpridos os trâmites legais. A jovem estaria em mãos jihadistas desde junho de 2014.

Os serviços de segurança estimam que centenas de ocidentais tenham saído de suas casas para integrar as fileiras do Estado Islâmico desde essa altura.

Ainda esta terça-feira, quatro pessoas foram detidas por recrutar pessoas para o Estado Islâmico, numa operação policial conduzida pelas autoridades espanholas.

Estima-se que cerca de 3.500 mulheres e crianças estejam como escravas no Iraque, segundo números das Nações Unidas.