Dezenas de agentes franceses desmantelaram esta terça-feira um acampamento no centro de Paris, onde viviam há meses mais de 350 imigrantes oriundos do Sudão, Eritreia, Somália e Egito.

Mais de 350 refugiados - a maioria do Sudão - viviam num acampamento improvisado debaixo de uma passagem aérea entre as estações de metro de La Chapelle e Barbes-Rochechouart, no norte da capital francesa, em péssimas condições de higiene.


Os refugiados - na sua maioria homens, embora também haja várias famílias - esperavam para embarcar em autocarros com destino a diversos abrigos na zona de Paris.

As autoridades temiam que o acampamento se transformasse num centro de tráfico. No fim de maio já tinha sido mencionado o risco de epidemia e a necessidade  de esvaziar o local rapidamente. As autoridades de saúde apontaram vários casos de disenteria e sarna.

Três horas depois, em Calais, junto do Canal da Mancha, as forças policiais francesas intervieram para desalojar mais de 200 imigrantes de dois acampamentos improvisados. 

Os moradores de um dos acampamentos, situado perto do Eurotúnel, abandonaram o local pacificamente.