O número 4 da Administração Trump está a ser investigado depois de ter requisitado um avião militar para a sua viagem de lua-de-mel à Europa, em junho passado. O custo aos contribuintes seria de 25 mil dólares por hora, o equivalente a 21 mil euros.

Steven Mnuchin, secretário de Estado do Tesouro, fez o pedido por escrito, que foi, segundo a estação norte-americana ABC, que divulgou o caso na quarta-feira, considerado altamente fora do comum pela Força Aérea e, por isso, alvo de inquérito por parte da inspeção-geral do departamento do Tesouro.

Isto porque as viagens em aparelhos militares estão, normalmente, reservadas a membros do governo que lidem diretamente com questões de segurança nacional.

O ex-banqueiro da Goldman Sachs acabaria, no entanto, por recuar na intenção de se deslocar com a mulher, a atriz e modelo britânica Louise Linton, à Escócia, França e Itália num avião militar.

Mnuchin, 54 anos, e Linton, de 36, casaram em junho, em Washington, com Donald Trump e Melania entre os convidados, além de outros membros do governo.

Um porta-voz do Tesouro explicou à estação televisiva que o objetivo inicial de Mnuchin era apenas manter em segurança a "linha de contacto" com a Administração.

O secretário é membro do Conselho Nacional de Segurança e um dos responsáveis pelo Gabinete de Terrorismo e Segurança Financeira. É imperativo que tenha, por isso, acesso a comunicações seguras e é nossa prática considerar um vasto leque de opções para assegurar estas condições durante a sua viagem, incluindo a possibilidade de usar aviões militares”, disse à ABC.

Para o senador democrata Ron Wyden, do comité de Finanças do Senado, ouvido pela ABC, trata-se de senso comum, ou seja, de algo que é fácil perceber que “é errado”.

Mas Mnuchin não é um estreante em termos de inquéritos.

O secretário do Tesouro responde numa outra investigação, depois de ter viajado com a mulher para Fort Knox, no dia do eclipse solar, a 21 de agosto. Uma vez mais, o seu gabinete veio a público garantir que Mnuchin foi à base do Exército dos EUA, no Kentuchy, para reuniões referentes a impostos e não para ver o eclipse, sublinhando ainda que a deslocação da mulher seria reembolsada.