O nível global de paz no mundo teve “a maior queda” em seis anos devido a fatores como o aumento do terrorismo e uma maior instabilidade política, revelou o fundador do Índice de Paz Global 2016, Steve Killelea.

O estudo divulgado hoje e produzido pelo Instituto para Economia e Paz (IEP), sediado em Sydney, foi elaborado a partir de vários indicadores como conflitos nacionais e internacionais, a segurança na sociedade ou a militarização, abrangendo um universo de 163 nações.

A Islândia figura como o país mais pacífico do mundo – tal como em 2015 –, seguido da Dinamarca e Áustria, enquanto a Síria – igualmente à semelhança do ano anterior – surge como o menos seguro, seguindo-se Sudão do Sul, Iraque, Afeganistão e Somália.

Países como Panamá, Tailândia e Sri Lanka foram sinalizados por terem mostrado este ano grandes melhorias em matéria de paz, ao passo que Iémen, Ucrânia e Turquia sofreram no mesmo intervalo temporal graves deteriorações.

O filantropo e empresário australiano Steve Killelea, fundador e presidente executivo do IEP, disse à agência Efe que a queda da paz global -- "de cerca de 4-5%" -- "é a maior nos últimos seis anos", um cenário para o qual contribuíram fatores-chave como "os conflitos no Médio Oriente".