Michel Houellebecq, autor francês do controverso romance «Soumission», cancelou a promoção do livro após o atentado terrorista ao satírico semanário «Charlie Ebdo». O anúncio foi dado, na quinta-feira, pelo agente do escritor, cita a agência AFP.

O agente disse ainda que Houellebecq encontra-se «profundamente afetado pela morte do amigo Bernard Maris», o economista e colunista no jornal, que foi uma das vítimas mortais no ataque.

A Flammarion, a editora do romancista, esclareceu que o escritor «deixou Paris e foi para o campo, para a neve».  
No dia do atentado terrorista, o jornal fez capa com Houllebecq, autor da obra que imagina uma França tomada pelo Islão, em 2022. «Em 2015, perdi os dentes, em 2022, cumpro o Ramadão», lia-se no cartoon que fazia a manchete. Horas depois, a redação foi surpreendida por três homens armados.

O conteúdo de «Soumission» tem sido classificado pelos críticos como «islamofóbico». Com a primeira edição de 150.000 exemplares, o livro já está no topo da lista de best-sellers da Amazon francesa.