A polícia federal da Bélgica emitiu um comunicado esta sexta-feira, dando conta de dois novos suspeitos ligados aos atentados de Paris.

As caras dos dois homens foram divulgadas, com as autoridades a pedirem ajuda para os encontrar. Há uma questão a ter em conta: os nomes que eles têm nos documentos de identificação belgas são falsos: Soufiane Kayal e Samir Bouzid. 

Os dois indivíduos estarão ligados a Salah Abdeslam, o terrorista ainda em fuga, alvo já de uma série de buscas, sem que ele tenha ainda sido apanhado. 

A ligação entre os três é explicada no comunicado da Polícia Federal: Salah visitou duas vezes Budapeste, a capital da Hungria, em setembro (os atentados, recorde-se, aconteceram a 13 de novembro na capital francesa), utilizando para esse efeito um veículo alugado, um Mercedes, mais concretamente, identificado na fronteira entre a Hungria e a Áustria. 

Salah estava com estes dois novos suspeitos identificados, que utilizam cartões de identidade falsos na Bélgica em nome de Samir Bouzid e Soufiane Kayal. Foi precisamente no nome deste último que foi alugada uma casa na cidade belga Auvelais, a 26 de novembro, alvo de buscas. 

Já o documento de identificação falso em nome de Samir Bouzid foi utilizado quatro dias depois dos ataques em Paris, 17 de novembro, às 18h, numa agência bancária, para transferir 750 euros para Hasna Ait Boulahcen, a prima de Abdelhamid Abaaoud (o mentor dos ataques) que se fez explodir durante a operação policial em Saint Denis.

"Foram gravadas imagens durante esta transferência de dinheiro", diz a polícia. 



Ambos os indivíduos estão a ser ativamente procurados pela polícia belga e francesa. A Polícia Federal Belga adianta que eles são "perigosos" e "possivelmente estão armados" e pede a quem souber algo notifique imediatamente.