Uma campanha chinesa que retrata o drama das mulheres com mais de 27 anos que ainda não casaram está a emocionar o país.

O anúncio acendeu o debate sobre as “sheng nu” - algo como “as mulheres que sobraram” -, um problema numa sociedade em que as mulheres são pressionadas para casar e ter filhos, mas que só agora revogou a política do filho único.

Promovido por uma marca de produtos de beleza, pretende “inspirar e encorajar as mulheres a moldar o seu próprio destino”, de acordo com o que explicou o responsável à BBC.

Segundo o governo chinês, a expressão “sheng nu” refere-se a uma mulher acima dos 27 anos que continue solteira.

A campanha retrata como tanto o Partido Comunista chinês como as próprias famílias pressionam as mulheres para casar. O vídeo intercala testemunhos emocionantes de mulheres com a opinião dos pais.

Sempre achei que ela tinha uma ótima personalidade. Mas não é muito bonita, fica na média. Por isso é que é uma das “mulheres que sobrou”, diz uma mãe sobre a filha solteira.

Se ela não conseguir arranjar alguém vou ficar de coração partido”, afirma um pai.

Num dos testemunhos, uma mulher explica que não casar é um sinal de desrespeito para com os pais na China.

Mas a campanha também demonstra como o país está num verdadeiro momento de viragem, em que muitas destas mulheres estão a lutar contra o estigma e a tornar-se independentes.

Só queria que os meus pais entendessem a minha opção de vida”, explica uma.

Estou feliz sozinha. Sinto-me livre e estou a aproveitar o facto de estar solteira.”

Ser independente é ótimo e é o tipo de vida que quero para mim”, diz outra das mulheres solteiras.

As últimas imagens foram gravadas no “mercado do casamento”, um local onde os pais colocam cartazes com características positivas dos filhos, na expetativa de encontrar um parceiro para eles.

O vídeo, que já foi visto mais de um milhão de vezes e tem sido amplamente partilhado nas redes sociais, termina com a mensagem “Não deixes que a pressão dite o teu futuro”.