Confrontos entre o exército e homens armados, ligados à Renamo, deixou deserta a vila de Cheringoma, Sofala, centro de Moçambique, com o comércio e serviços públicos encerrados, disseram esta quarta-feira à Lusa várias fontes.

«Houve um intenso confronto hoje pela madrugada entre militares na base (da Renamo) de Dimba», disse Augusto Abílio, um padre católico em Chgeringoma.

O ataque ocorreu quando o exército tentava «desativar» a base de Dimba, da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), a cerca de 30 quilómetros da vila de Cheringoma, onde foram vistos chegar dois camiões militares na terça-feira.

Não existe informação sobre vítimas e outros danos do ataque.

A base de Dimba, ativada pelo antigo movimento na guerra civil (1976-1992), onde se supõem estejam a ser reagrupados os guerrilheiros da Renamo, acolheu parte dos homens expulsos aquando do assalto e ocupação pelo exército da base de Sadjundjira (Gorongosa), em outubro passado.

Na terça-feira, um ataque contra um carro militar, atribuído a homens armados da Renamo, matou quatro agentes e feriu outros cinco, das Forças da Guarda-fronteira, em Mussicadzi, Gorongosa, centro de Moçambique, disse à Lusa fonte hospitalar.

O ataque ocorreu a meio caminho entre Sadjundjira e Casa Banana, antigo bastião da Renamo quando o comando da Guarda-fronteira fazia o render da força numa posição.