No dia em que se recordavam os milhares de mortos provocados pelo mais violento sismo da história do México e se realizavam exercícios para que o número de vítimas nunca volte a ser tão alto, deu-se uma nova tragédia.

"Não pode ser, não no mesmo maldito dia. Não no 19 de setembro", exclamou um homem que corria por uma rua na Cidade do México durante o abalo, citado pelo La Nacion.

Este anónimo fazia referência ao impensável. Exatamente no mesmo dia, 19 de setembro, 32 anos depois do sismo de magnitude 8,0 na escala de Richter (1985), que provocou entre 5.000 a 10.000 mortos, um terramoto de magnitude 7,1 voltava a abalar o país. Voltava a matar. O número de vítimas já ultrapassou as duas centenas, a maioria cidadãos que estavam na capital, Cidade do México, onde mais de duas dezenas de edifícios ruíram com a força do sismo.

A coincidência é infeliz, mas não é a única. Por ocasião do aniversário, em todo o país realizaram-se simulacros para relembrar os passos que os cidadãos devem seguir em situações como esta. Um exercício geral a nível nacional tinha acontecido apenas duas horas antes do evento real.

O forte sismo aconteceu mais de uma semana depois de um outro terramoto, de magnitude 8,2 - o mais forte desde 1932 - ter abalado o sul do país. O sismo de dia 7 de setembro provocou 98 mortos: 78 em Oxaca, 16 em Chiapas e quatro em Tabasco.

O sismo desta terça-feira foi de menor intensidade que o de dia 7 e que o de 1985, mas ainda assim libertou energia equivalente e 33 bombas atómicas, explicou o diretor do Instituto Nacional de Prevenção Sísmica de San Juan, Alejandro Giuliano, ao La Nacion.

O epicentro do sismo desta terça-feira foi localizado perto de Puebla, a cerca de 120 quilómetros da capital mexicana, e a mais de 50 quilómetros de profundidade. O terramoto de 1985 teve o seu epicentro no Oceano Pacífico, na costa do Estado de Michoacán, a 350 quilómetros da capital, mas a apenas 15 quilómetros de profundidade.

O terramoto de 1985 aconteceu pouco depois das 7 horas da manhã, o de terça-feira cerca das 13 horas.

Veja também: os terramotos mais mortíferos a atingir o México desde 1985