O núcleo da Unicef em Katmandu alertou este domingo para o risco de aumento do tráfico de crianças no Nepal na sequência do terramoto assim como para o perigo de agravamento de problemas já existentes, como a subnutrição.

A chefe da Proteção Infantil da Unicef no Nepal, Virginia Pérez, disse, numa entrevista à agência noticiosa Efe, que, segundo algumas das primeiras avaliações, no distrito de Gorkha (norte), perto de 80% das escolas estão destruídas, pelo que continuam a trabalhar para impedir as doenças.

Já antes do terramoto de 25 de abril, que fez mais de 7.000 mortos, o Nepal tinha índices de exploração infantil, de tráfico de menores e de abuso e violência “muito altos”, referiu.

Este domingo, novos sobreviventes do sismo foram resgatados, oito dias após o abalo. Entre os sobreviventes está um idoso de 101 anos, que estava soterrado nas ruínas da sua casa.

As autoridades nepalesas revelaram este domingo que cerca de 75% de vítimas do sismo já abandonaram os acampamentos provisórios instalados pelo governo em Katmandu e regressaram a casa. 

No sábado, as Nações Unidas disseram que os procedimentos alfandegários no Nepal, nomeadamente a cobrança de taxas, está a bloquear a ajuda da comunidade internacional, atrasando ou impedindo a receção de bens de primeira necessidade.  

A responsável da ONU Valerie Amos diz que o governo nepalês tem o dever de providenciar a ajuda que está a chegar da comunidade internacional de forma mais rápida e já apelou ao executivo nesse sentido.