O número de mortos no Nepal, em consequência do sismo que atingiu o país no dia 25 de abril, subiu para 7.652, com os feridos estimados em 16.390, anunciou o Ministério do Interior do país.

Pelo menos 10.718 edifícios governamentais foram destruídos pelo sismo de magnitude 7,8 e um total de 14.741 ficaram parcialmente danificados. Em relação às habitações, 191.058 ruíram e 175.162 foram parcialmente afetadas.

A zona mais afetada foi Sindhupalchowk, onde se registaram até agora 2.911 mortos, mais do que em Katmandu, onde se registaram 1.202 vítimas fatais.

Esta terça-feira, o governo tinha informado que o terramoto destruiu 668 escolas. O executivo pediu aos especialistas que certifiquem se as outras 2.228 escolas que sofreram danos são seguras antes de serem retomadas as aulas. 

O primeiro-ministro nepalês, Sushil Koirala, anunciou que serão construídas casas à prova de sismo no país e que será criado um Ministério dos Desastres para enfrentar este tipo de crises.

"Muitas casas em todo o país ficaram destruídas. Agora o Governo planeia constituir habitações que sofram menos com o impacto dos sismos", manifestou Koirala na terça-feira, em declarações publicadas nos jornais locais "My Republica" e "Kantipur".

Além disso, o primeiro-ministro nepalês antecipou que o seu Governo prevê formar, tal como outros países, um ministério que faça frente aos desastres naturais, tendo em conta que o Nepal se encontra numa zona sísmica.