Foi detido o construtor do edifício Weiguan Jinlong que desabou no sábado, em Taiwan, na sequência do sismo que abalou a cidade, adianta a BBC. As autoridades tinham aberto uma investigação, depois de os bombeiros terem verificado que foi usado metal muito fraco, lata, nos alicerces da edificação.

Só naquele prédio morreram 39 pessoas, sendo que o último balanço total do número de vítimas da catástrofe natural aponta para 42 mortos. Ainda há 107 continuam desaparecidas.

Em declarações à CNN, um engenheiro que não foi identificado confirmou o uso deste material mais fraco na construção, acrescentado que tal não era proibido até 1999.

Confrontado com esta informação, o ministro do Interior fez saber que será aberto um inquérito aos onze edifícios que não resistiram ao abalo logo que terminem as operações de busca e salvamento. H

As equipas de resgate continuam no terreno e estão hoje a recorrer a maquinaria pesada para mover os escombros de um dos edifícios que ruíram na cidade de Tainan, depois de terem sido detetados sinais de vida no local, informou ainda o Serviço de Emergências de Taiwan.

"Em Taipe, num caso similar, salvámos pessoas vivas cinco dias depois do terramoto", sublinhou hoje o presidente de Taiwan, Ma Ying-jeou, citado pela Lusa, defendendo a manutenção das equipas de resgate no terreno.
No total, já foram resgatadas cerca de 320 pessoas com vida. 

Numa luta contra o tempo, a esperança de encontrar sobreviventes diminui, mas a história de uma menina, resgatada com vida na segunda-feira, não permite às equipas baixarem os braços.