A Coreia do Norte confirmou esta sexta-feira ter levado a cabo o quinto ensaio nuclear “com sucesso”, informou a televisão oficial norte-coreana, no dia em que o país celebra o 68.º aniversário da sua fundação.

A confirmação do ensaio nuclear surge depois de Seul ter dito que este foi o teste mais potente alguma vez realizado por Pyongyang.

Acreditamos que a Coreia do Norte levou a cabo um teste nuclear hoje”, referia a agência, ao citar uma fonte não identificada do Ministério da Defesa sul-coreano. "A explosão deverá ter [sido causada por] cerca de 10 quilotoneladas – a mais forte até agora realizada pela Coreia do Norte”, acrescentou.

O anúncio foi apresentado pela locutora Ri Chun-hee, num breve espaço informativo especial emitido pela televisão estatal KCTV por volta das 13:00 locais (04:30 em Lisboa).

O Conselho Nacional de Segurança (NSC, na sigla em inglês) dos Estados Unidos já tinha avaliado a “atividade sísmica” registada esta sexta-feira na Coreia do Norte, que - sabe-se agora - foi provocada por um novo teste nuclear de Pyongyang.

Estamos a par da atividade sísmica na península da Coreia nas proximidades de uma conhecida base de testes nucleares da Coreia do Norte. Estamos a seguir e a avaliar a situação em estreita coordenação com os nossos parceiros na região”, afirmou em comunicado o porta-voz da NSC, Ned Price.

O tremor de terra, de magnitude 5,3 na escala de Richter segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos, foi detetado às 01:30 (hora de Portugal) de hoje, muito perto da base de ensaios nucleares de Punggye-ri, cenário de quatro testes nucleares anteriores ocorridos em 2006, 2009, 2013 e em janeiro deste ano.

França, Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul e China condenam teste

Países como a França, Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul e a China condenaram o quinto teste nuclear realizado por Pyongyang, com o Presidente Barack Obama a advertir para “consequências graves”.

François Hollande “condenou veementemente” o quinto ensaio nuclear realizado hoje pelo regime norte-coreano e apelou ao Conselho de Segurança das Nações Unidas a responder a esta violação das resoluções”, informou a presidência francesa.

A comunidade internacional deve unir-se face a esta nova provocação que ocorre depois de uma condenação unânime pelo Conselho de Segurança de testes balísticos efetuados pela Coreia do Norte na segunda-feira”, acrescentou a presidência francesa em comunicado difundido após a confirmação por Pyongyang deste novo ensaio, “o mais potente até à data”, segundo Seul.

Hoje a RPDC (República Popular Democrática da Coreia, nome oficial da Coreia do Norte) realizou novamente um ensaio nuclear, apesar da oposição geral da comunidade internacional, teste ao qual o governo chinês se opõe veementemente”, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês em comunicado. "Apelamos energicamente à RPDC a honrar os seus compromissos em matéria de desnuclearização, a implementar as resoluções do Conselho de Segurança e a evitar qualquer ação suscetível de deteriorar a situação”, acrescentou a diplomacia chinesa.