O número de mortos causados pelo sismo que assolou o Nepal há 15 dias é superior a 8.000, sendo que os feridos rondam já os 17.500, segundo os últimos dados oficiais hoje divulgados pelo Governo nepalês. 

Os mortos do sismo atingem já os 8.019 e os feridos ascendem a 17.866, a maioria dos quais são dos distritos de Sindhupalchowk, a norte da capital nepalesa e da região administrativa de Katmandu (veja aqui o que uma câmara de videovigilância captou), revelou o Centro Nacional de Operações de Emergência na sua conta no twitter.

O Governo nepalês calcula em 290.800 as construções que foram totalmente destruídas e em mais de 251.800 as que ficaram parcialmente destruídas, após o sismo de 7,8 graus de magnitude na escala Richter e que ocorreu neste país asiático no 25 de abril passado.
Os danos materiais resultaram, por exemplo, na destruição de 668 escolas

Foram várias as histórias tristes que surgiram depois do sismo. De uma só vez, a polícia do Nepal e equipas de voluntários encontraram cerca de 100 corpos de alpinistas e habitantes locais que terão sido "engolidos" por uma avalanche em Langtang, a 60 quilómetros de Kathmandu.

Chegaram, por outro lado, incríveis histórias de sobrevivência, como a de um bebé-milagre, de quatro meses, encontrado vivo nos escombros 22 horas depois do sismo naquele fatídico dia 25 de abril. E a história de um rapaz e uma mulher tirados vivos das ruínas ao fim de cinco dias. 

Há vários portugueses que largaram tudo para serem voluntários no Nepal. Há uma onda de solidariedade através do Facebook.