O Procurador-Geral da República da Guiné-Bissau, Abdu Mané, afirmou que tem sido alvo de ameaças na sequência de investigações abertas pelo Ministério Público ao caso do embarque forçado num voo da TAP de 74 sírios para Portugal.

«Quer dizer eu, que não embarquei ninguém, nem sei se são sírios ou se são turcos, sou ameaçado. Agora eu é que sou responsável, quando não envergonhei a República», disse Abdu Mané.

O Procurador guineense reagia desta forma à queixa-crime apresentada na segunda-feira pelo advogado do ministro do Interior do Governo de transição, António Suca Ntchama, no Supremo Tribunal de Justiça contra Abdu Mané por alegada difamação ao governante.