O representante da Síria nas Nações Unidas disse esta quarta-feira que dezenas de soldados sírios inalaram gás venenoso em novos ataques no país, após 21 de agosto, e pediu à ONU para investigar.

O embaixador Bashar Jaafari, em declarações aos jornalistas em Nova Iorque, disse que pediu ao secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, para prolongar o prazo de permanência dos peritos da ONU que estão a investigar o possível uso de armas químicas na Síria, em 21 de agosto, para incluir estes novos incidentes que descreveu como «atrozes».

O diplomata afirmou que dezenas de soldados sírios estão a ser tratados nos hospitais em resultado de novos ataques, ocorridos a 22, 24 e 25 de agosto nos subúrbios de Damasco, não adiantando mais detalhes.

Bashar Jaafari falou enquanto os representantes do Reino Unido, da França, da China, da Rússia e dos Estados Unidos da América nas Nações Unidas realizavam as primeiras conversações para debater o projeto de resolução britânico sobre a Síria.

O texto condena o ataque químico de 21 de agosto, perto de Damasco, atribuído pelas nações ocidentais a forças do Presidente Bashar al-Assad, que por sua vez responsabiliza as forças rebeldes, escreve a Lusa.

NATO: uso de armas químicas na Síria «não pode ficar sem resposta»