Pelo menos 42 civis, incluindo 19 crianças, morreram na segunda-feira devido a ataques da coligação dirigida pelos Estados Unidos em Raqa. Esta cidade síria é o bastião do grupo Estado Islâmico no país.

O Observatório sírio dos Direitos do Homem indicou que 12 mulheres estavam igualmente entre as vítimas dos raides que atingiram vários bairros do norte da cidade, onde a coligação internacional apoia a ofensiva de uma coligação curdo-árabe contra os jihadistas.

Os raides mortais têm-se multiplicado em Raqa, já considerada pela ONU como o “pior lugar” na Síria para a população civil, sobretudo as zonas da cidade ainda controladas pelo grupo Estado Islâmico.

Os extremistas têm conseguido resistir às ofensivas de milícias curdas apoiadas pela coligação militar internacional.