Aviões de combate descolaram esta sexta-feira do porta-aviões francês Charles de Gaulle para operações contra o grupo extremista Estado Islâmico (EI) na batalha pela tomada de Mossul, bastião dos ‘jihadistas’ no Iraque, anunciou um oficial a bordo.

Oito aviões de caça Rafale partiram pelas 08:00 (06:00 em Lisboa) do navio destacado no Mediterrâneo oriental, constatou um fotógrafo da agência AFP.

Trata-se da terceira missão do Charles de Gaulle no âmbito da coligação internacional contra o Estado Islâmico, liderada pelos Estados Unidos, desde fevereiro de 2015.

Ataques da aviação russa já mataram 9.300 pessoas

Do lado da aliança entre o Governo sírio e a Rússia, os bombardeamentos efetuados contra rebeldes e jihadistas já mataram 9.300 pessoas, revelou esta sexta-feira o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH)

Neste número contabilizam-se 3.800 civis, que morreram em ataques da aviação russa na Síria desde o início da intervenção de Moscovo há um ano.

Desde 30 de setembro de 2015, os raides russos fizeram exatamente 9.364 mortos, incluindo 3.804 civis, 2.746 combatentes do grupo extremista Estado Islâmico (EI) e 2.814 membros de diferentes grupos rebeldes que combatem o regime do Presidente sírio, Bashar al-Assad, segundo dados compilados pela organização não-governamental.