Os pedidos de asilo em países ricos aumentaram 45% em 2014, impulsionados pelos conflitos na Síria e no Iraque, aproximando-se do recorde registado no início da guerra na Bósnia-Herzegovina, de acordo com dados publicados esta quinta-feira pela ONU.

A situação nestes dois países deu lugar «à pior crise humanitária da nossa era», declarou a porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os refugiados, Melissa Fleming, numa conferência de imprensa.

No total, 866.000 pedidos de asilo foram entregues, no ano passado, a 44 países industrializados, mais 45% que em 2013. O número atinge, assim, quase o mesmo nível record registado em 1992, no início da guerra na Bósnia-Herzegovina, em que foram enviados 900.000 pedidos de asilo.

A Síria foi o país de onde vieram mais pedidos de asilo, um total de 149.600. 

Portugal em contraciclo com menos pedidos de asilo

Já Portugal inverteu em 2014 a tendência de aumento de pedidos de asilo e recebeu 440 casos, menos 14% do que no ano anterior.

Nele mostra-se que Portugal é dos países menos procurados por requerentes de asilo, tendo recebido 160 pedidos em 2010, 280 em 2011, 300 em 2012, 510 em 2013 e 440 no ano passado.

Desde 2010 Portugal recebeu ao todo 1.690 pedidos de asilo. A título de exemplo a Espanha recebeu 19.140 e a Alemanha 434.260.

Só no ano passado a Alemanha recebeu 173.100 pedidos de asilo, o que coloca o país em primeiro lugar na lista dos que mais recebem esses pedidos, seguindo-se em segundo lugar os Estados Unidos (121.200 pedidos), a Turquia em terceiro (87.800), a Suécia em quarto (75.100) e a Itália em quinto (63.700).

Os cinco receberam seis em cada 10 pedidos que chegaram aos 44 países industrializados e que estão contemplados no documento (38 da Europa e seis não europeus).

O ano passado, com 866 mil pedidos de asilo, representou o quarto aumento anual consecutivo e o segundo maior aumento desde os anos 1980. Só a Europa recebeu 714.300 pedidos (aumento de 47% em relação a 2013).

Ainda de acordo com o relatório, se forem contabilizados apenas os 28 Estados membros da União Europeia os pedidos de asilo atingem os 570.800, um aumento de 44% face a 2013, em grande parte fruto dos conflitos na Síria, no Iraque e no Afeganistão.

Tal não se refletiu em Portugal, com menos refugiados, o que coloca o país, em relação ao número de pedidos de asilo na posição 34 de uma lista de 44 países. (Se as contas forem feitas com o número de pedidos por mil habitantes Portugal salta para o 42.º lugar.)

Atrás de Portugal, com menos pedidos ainda, estão, entre outros, a Albânia, a Estónia, a Eslovénia, a Islândia ou o Liechtenstein.

Os dois últimos, como Portugal, também tiveram menos pedidos de asilo em 2014. Da lista de mais de uma dúzia países de variação negativa figura ainda a França (menos dois por cento), a Austrália (24 por cento), a Croácia (59) ou a Polónia (menos 51 por cento).