Os ataques aéreos que atingiram um hospital de Aleppo, na Síria, esta quarta-feira, mataram, pelo menos, 20 pessoas. Entre as vítimas estão, de acordo com a Reuters, três crianças e o último pediatra daquela cidade síria nas mãos dos rebeldes.

O ataque matou ainda outros dois médicos, de acordo com Observatório de Direitos Humanos, uma organização não-governamental com sede em Londres. 

O Observatório confirmou o ataque e afirmou que ele foi realizado por “aviões do regime”.

Segundo as contas da ONG, já morreram 133 civis em apenas seis dias, vítimas quer de ataques das forças do governo, quer do fogo dos rebeldes, em Aleppo. 

Esta quinta-feira, o mediador das Nações Unidas nas negociações de paz na Síria, Staffan de Mistura, pediu à Rússia e aos Estados Unidos para unirem esforços e salvarem a trégua acordada no país do "colapso total".

Faço um apelo à Rússia e aos Estados Unidos para tomarem a iniciativa urgente de relançar a trégua, que, neste momento, está em perigo".

Afirmações proferidas numa conferência de imprensa, após ter informado o Conselho de Segurança da ONU sobre o resultado da terceira ronda de negociações de paz na Síria, que terminou na quarta-feira.

Staffan de Mistura disse que para ser convocada nova ronda de consultas é preciso que "o cessar das hostilidades na Síria volte aos níveis de fevereiro e março".