O Estado Islâmico reivindicou os atentados desta segunda-feira, nas cidades sírias de Tartus e Jableh, que mataram mais de uma centena de pessoas, noticiou a agência Amaq, ligada à organização terrorista.

"Ataques conduzidos por combatentes do Estado Islâmico atingiram locais alauitas (comunidade religiosa à qual pertence o Presidente sírio, Bashar al-Assad) nas cidades de Tartus e Jableh, na costa síria", indicou a Amaq.

De acordo com a agência noticiosa oficial Sana, as explosões de Tartus tiveram origem em explosões de carros armadilhados.

A onda de atentados à bomba nas duas cidades que constituem um bastião do regime sírio provocou, pelo menos, 100 mortes e outros tantos feridos, segundo o último balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos.