Pelo menos 42 civis morreram hoje em raides aéreos contra o enclave rebelde de Ghouta oriental, alvo de uma ofensiva do regime sírio e dos aliados russos, segundo um novo balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

A organização não-governamental com sede em Londres atribui os raides à aviação russa.

Só na localidade de Kafar Batna, os ataques mataram 31 civis e feriram uma centena de pessoas, após bombardeamentos semelhantes na localidade de Saqba, onde 11 civis morreram, diz o OSDH.

Desde o dia 18 de fevereiro, quando começou o mais recente ataque das forças sírias e russas contra Ghouta oriental, morreram 1.272 pessoas naquele enclave, entre as quais 252 crianças e 171 mulheres.

Segundo o OSDH, as forças do regime já tomaram 70% do enclave e os rebeldes controlam apenas três setores isolados uns dos outros.

Cerca de 20.000 habitantes saíram da região na quinta-feira, devido aos intensos bombardeamentos, disse o observatório.

Entretanto, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, anunciou que os militares russos e o governo sírio prolongaram o período de cessar-fogo que deveria terminar hoje.

Em declarações no Cazaquistão, o chefe da diplomacia da Rússia, aliado militar das forças governamentais de Damasco, acrescentou que as tréguas vão manter-se até que “todos os civis” consigam abandonar Ghouta oriental.

Desde o dia 18 de fevereiro que morreram 1.272 pessoas em Ghouta oriental, entre as quais 252 crianças e 171 mulheres.