A Alemanha tem fortes provas de que foi Bashar al-Assad quem ordenou o ataque químico na Síria e de forma descontrolada. A secreta alemã fala num erro de dosagem de gás sarin, que levou ao elevado número de mortos. E as denúncias não ficam por aqui.

Segundo a revista «Der Spiegel», aos deputados do parlamento germânico, o diretor da secreta alemã garantiu ter a gravação de uma chamada telefónica dum alto dirigente do Hezbolah para a embaixada do Irão em Damasco, na qual afirmava que Assad tinha perdido a cabeça e cometera um enorme erro ao usar armas químicas no bombardeamento de dia 21 na periferia da capital síria.

Os alemães dizem ainda ter provas de que o ataque foi feito com gás sarin e que só o regime sírio tem este agente venenoso e a capacidade para o misturar e lançar sobre o inimigo através de pequenos mísseis que têm em abundância.

Apesar destas evidências, Angela Merkel diz que a Alemanha não vai participar numa intervenção militar na Síria, sem mandato da ONU.

Alemanah, Estados Unidos, Rússia, todos juntos na reunião do G20, mas com as atenções concentradas na Síria.