O Supremo Tribunal de Itália confirmou a pena de prisão para Silvio Berlusconi por fraude fiscal no âmbito do «caso Mediaset».

Berlusconi está condenado a quatro anos de prisão que foram comutados em um ano de pena devido a uma amnistia.

A instância judicial máxima italiana reenviou para reapreciação do Tribunal da Relação a interdição de exercer cargos públicos que o antigo primeiro-ministro italiano também enfrenta neste processo.

O «caso Mediaset» remonta a 2006 quando esta empresa de Berlusconi foi acusada de inflacionar o preço dos direitos de transmissão de filmes norte-americanos, adquiridos através de sociedades também proprietárias de «Il Cavaliere».

No que respeita à interdição de exercer cargos púlicos, Berlusconi foi condenado em segunda instância a um proibição de cinco anos, agora pedida para ser reapreciada.

O Supremo Tribunal era a última instância de recurso de que Berlusconi dispunha, mas a confirmação da pena de prisão não significa que o antigo primeiro-ministro italiano vá para a cadeia.

Como tem mais de 70 anos, Berlusconi pode cumprir a sentença em prisão domiciliária; ou pode transformá-la - porque a pena é pequena - em serviço comunitário.

O homem forte da comunicação social de Itália já disse, contudo, há poucos dias [ver artigo relacionado] que está disposto a enfrentar a cadeia.

[artigo atualizado às 19.20]