O ex-primeiro ministro de Itália, Silvio Berlusconi, já começou a cumprir a pena a que foi condenado por fraude fiscal.

Berlusconi foi visto a chegar a um lar de idosos em Cesano Boscone, perto de Milão, onde vai ter de cumprir quatro horas de trabalho comunitário por semana, como auxiliar de doentes com Alzheimer.

A pena de quatro anos de prisão, a que tinha sido inicialmente condenado, transformou-se em um ano de trabalho comunitário, dada a sua idade (77 anos), por não ter antecedentes criminais e por ter sido chefe do governo.

O antigo primeiro-ministro surgiu sóbrio e silencioso à chegada, esta manhã, ignorando os cerca de 200 jornalistas que o esperavam no local. Porém, a sua atitude mudou drasticamente quando, ao fim de algumas horas, saiu do lar, acenando aos repórteres várias vezes, ainda que não tenha feito declarações.

À chegada, Berlusconi não se livrou dos protestos de um sindicato que o recebeu com a frase: «Nós trabalhadores italianos temos um sonho no coração, ver Berlusconi na prisão de San Vittore».

Segundo o «El Mundo», o lar não vai autorizar fotografias e vídeos do ex-primeiro-ministro a trabalhar, para salvaguardar o «perfil discreto» que Berlusconi pretende adotar.

«Queremos manter a normalidade, a chegada de Berlusconi deve ser uma coisa como tantas outras. Os problemas aqui são outros», afirmou Fabrizio Pregliasco, diretor científico do lar.

No entanto, Berlusconi já tinha mostrado o seu descontentamento com a sentença numa outra entrevista.

«Os serviços cívicos dão-se a pessoas que devem ser reeducadas, e mandar um senhor da minha idade, depois de tudo o que eu fiz (...) pensar que esta sentença pode reeducar-me é ridículo, não para mim, mas para o país», afirmou.