Um belga de 44 anos em agonia após uma mudança de sexo falhada foi submetido a eutanásia esta semana, após os médicos terem concordado com a morte misericordiosa por motivos psicológicos, noticiaram hoje os media nacionais.

Nathan Verhelst morreu na segunda-feira num hospital de Bruxelas, rodeado de amigos depois de requerer ajuda para morrer. Segundo disse à imprensa as operações não decorrerem como esperado e não queria viver como um «monstro». As mastectomias deixaram-no com várias imperfeições no peito e o pénis implantado mostrava já sinais de rejeição.

O caso foi muito divulgado na Bélgica, que se tornou no segundo país no mundo, a seguir à Holanda, a legalizar a eutanásia, em 2002.

«Morreu com toda a serenidade», disse o médico Wim Distlemans, segundo o qual obteve permissão para a eutanásia porque se pode declarar claramente que o paciente estava «em insuportável esgotamento psicológico».

Nathan nasceu mulher, Nancy, numa família de três rapazes e foi rejeitado pelos pais, que queriam outro filho, disse a um jornal na véspera da morte.

Submeteu-se a três operações para mudar de sexo, entre 2009 e 2012.