O médico da Serra Leoa infetado com ébola que estava a ser tratado num hospital no Nebraska, EUA, morreu esta segunda-feira, informa a Reuters.

Esta é a segunda morte ligada ao ébola nos Estados Unidos, num total de 10 casos que foram tratados neste país.

Martin Salia, de 44 anos, nasceu na Serra Leoa, mas tinha residência permanente nos EUA. Contraiu o vírus na semana passada, na capital da Serra Leoa, Freetown, onde estava a tratar doentes com ébola desde abril, e foi repatriado já em estado muito grave.

Quando chegou ao Nebraska Medical Center, no sábado, já tinha insuficiência renal e respiratória.

«O Dr. Salia já estava em estado crítico quando chegou e, infelizmente, apesar dos nossos esforços, não conseguimos salvá-lo», disse o diretor clínico, Phil Smith.

O cirurgião trabalhava em vários hospitais na Serra Leoa e ainda não se sabe como nem onde contraiu o vírus.

No Nebraska, foi tratado com plasma convalescente e ZMapp, fez diálise, estava ventilado e tomou vários medicamentos.

O ébola já matou 5177 pessoas, sobretudo na Serra Leoa, Libéria e Guiné, segundo o último balanço da Organização Mundial de Saúde.