O Governo iraniano condenou, esta segunda-feira, a tomada de reféns ocorrida num café na Austrália, alegadamente por um cidadão iraniano armado, classificando-a como um ato alheio ao Islão, noticiou a imprensa estatal.

«Levar a cabo tais atos desumanos e provocar medo e pânico em nome do piedoso Islão não é, de forma alguma, justificável», declarou a porta-voz do Ministério iraniano dos Negócios Estrangeiros, Marzieh Afkham, de acordo com a agência de notícias IRNA.

O autor do sequestro, Man Haron Monis, um iraniano de 50 anos a quem foi concedido asilo político na Austrália em 1996, foi uma das pessoas mortas, juntamente com dois reféns, quando a polícia irrompeu pelo café do centro de Sidney na madrugada de terça-feira (hora local) para libertar 17 reféns.