Um casal de 58 e 64 anos está a ser julgado pelo sequestro de três dos seus filhos adotivos e por abuso sexual.
O marido e a mulher declararam-se inocentes perante um juiz de Cleveland, na quarta-feira, uma declaração que não convenceu o Ministério Público, que lidera a acusação.

A investigação começou em agosto de 2013 quando as duas raparigas tiveram um acidente de automóvel com a carrinha da família ao tentarem fugir.

A identidade das jovens, agora com 14 e 17 anos não foi revelada e, depois de passarem este período num lar de acolhimento, vão ser novamente adotadas.

Sequestro, agressões, negligência paternal. A acusação também acusa os pais adotivos de abusos sexuais entre 2011 e 2013.

Um terceiro filho adotivo, atualmente com 21 anos e deficiência intelectual era, segundo a acusação a que a Associated Press teve acesso, também abusado e negligenciado. Todos terão sido «espancados com uma pá», encontrada na casa com «sangue», e que serve de prova em julgamento.

Aliás, a acusação descreve as condições de vida na casa como «deploráveis», considerando que os filhos viviam sequestrados na própria casa, enclausurados nos seus quartos durante 22 horas e sem direto a contacto com outras pessoas ou crianças. As duas horas que sobravam serviam para terem aulas e para ir à casa de banho. Os três também foram considerados subnutridos.

Há ainda um quarto filho adotivo, com 13 anos, que não foi abusado.

O casal adotou as quatro crianças há 11 anos. Os abusos começaram quando depois dois rapazes adolescentes que lá viviam terem feito 18 anos e saído de casa.