As autoridades mexicanas encontraram uma vala comum nos arredores da cidade do México. Os restos mortais agora descobertos podem ser de um grupo de 12 jovens sequestrados em maio passado, avança a AFP.

Rodolfo Rios, do Ministério Público, confirmou que já foram recuperados sete cadáveres, desde que foi encontrada a vala comum, na passada quarta-feira, no Parque Ecológico Rancho La Mesa, na região montanhosa de Tlalmanalco. Acrescentou ainda que os resultados de ADN, para identificar as vítimas, devem demorar dois dias a ser conhecidos.

Muitos familiares dos jovens sequestrados estão na zona da descoberta, a ser apoiados pela polícia.

O grupo de jovens, com idades entre os 16 e os 34 anos, foram sequestrados de um bar na cidade, em plena luz do dia. Era um domingo de manhã.

As autoridades avançaram que a descoberta foi feita, por acaso, durante uma busca por armas. O representante do Ministério Público disse ainda que duas pessoas, que moram perto do local, foram detidas, mas a Procuradoria-geral não confirmou a informação.

As investigações parecem indicar que o sequestro está relacionado com a luta entre dois pequenos grupos, conhecidos como La Union e Tepis, que traficam droga num dos bairros mais violentos da cidade, o Tepito. No entanto, o presidente da câmara da Cidade do México sempre garantiu que os cartéis de droga mais poderosos não atuam na cidade e que o sucedido nada tinha a ver com o tráfico ilegal. Era um simples caso de pessoas desaparecidas.

Os familiares das vítimas garantem que os jovens não estavam envolvidos em atividades criminosas. O grupo de 12 jovens foi levado por 17 homens e divididos por vários carros. Nas imediações do bar está uma esquadra da polícia, a embaixada dos Estados Unidos e um importante monumento da cidade.