Um jornalista com dupla nacionalidade, norte-americana e alemã, foi libertado na Somália, esta terça-feira, depois de ter estado dois anos sequestrado.

Michael Scott Moore, de 45 anos, foi levado por milícias armadas para o aeroporto da cidade de Galkayo, de acordo com as declarações de um responsável do Governo na região, Ahmed Muse Noorum.

Segundo o o jornal alemão «Der Speigel», para o qual Moore costumava trabalhar, o jornalista viajou até à capital da Somália, Mogadíscio, de avião e foi depois transportado para um local seguro. Moore está em boas condições de saúde.

«Nunca desistimos de ter esperança e agora estamos muito contentes pelo Michael e pela sua família, cujo pesadelo finalmente chegou ao fim», declarou o editor do «Der Spiegel» Wolfgang Buchner.

Moore tinha sido raptado em janeiro de 2012, em Galkayo, quando estava a fazer investigações sobre piratas para a escrita de um livro. Durante os dois anos de sequestro, os raptores divulgaram várias imagens do refém.

Tanto o Governo norte-americano como o alemão terão tentado a libertação do jornalista, sem sucesso.



O Governo alemão confirmou ao «Der Spiegel» a libertação de um cidadão da Alemanha «que também tem nacionalidade norte-americana e que estava raptado na Somália».