“Acredito que é altura de os Estados-membros discutirem e considerarem esta aspiração”










não fecha a porta