O jovem líder dos conservadores austríacos Sebastian Kurz deverá ser o próximo chanceler do país, caso consiga os 30,2% dos votos que lhe atribuem uma projeção divulgada após o fecho das urnas pela empresa SORA.

O OVP (Partido das Pessoas) deverá assim ficar à frente dos seus atuais aliados, os social-democratas (26,3%), que ficarão com um resultado semelhante, de acordo com a projeção, ao Partido da Liberdadea de extrema-direita (26,8%).

Kurz, atual ministro dos Negócios Estrangeiros austríaco tem apenas 31 anos, e deverá assim ser o próximo chanceler. No entanto, como o seu partido não deverá ter maioria absoluta, o único parceiro de coligação viável será o FPÖ (extrema-direita).

Isto porque o atual chanceler, o socialista Christian Kern, recusou à partida reeditar a coligação: “Se ganharmos, serei chanceler. Se não, iremos para a oposição”, disse numa entrevista à televisão estatal, ORF.

Tal como a vizinha Alemanha, a Áustria é governada há uma década por uma coligação de “bloco central”.

O mandato deveria durar até 2018, mas uma crise interna no ÖVP levou o líder do partido, Reinhold Mitterlehner, a demitir-se. Kurz sucedeu-lhe, e logo depois, juntamente com os socialistas, surgiu a decisão de convocar eleições antecipadas.