Pior a emenda, do que o segredo, a avaliar pelo que conta o jornal britânico The Guardian.

Sebastian Gorka, assessor do novo presidente norte-americano, eventualmente a querer mostrar serviço, terá solucionado o problema geopolítico da Líbia. Com um desenho num guardanapo de restaurante, retalhando o país do norte de África em três bocados.

Pelo que reporta a imprensa internacional, as ideias de Gorka terão sido expressas, num encontro com um diplomata europeu, não identificado, dias antes de Trump ter assumido a presidência dos Estados Unidos.

Segundo fontes conhecedoras do episódio, citadas pelo The Guardian, o interlocutor de Gorka, após ouvir a sua ideia sobre a divisão da Líbia em três bocados - ao que se percebeu, similares aos territórios desenhados pela vigência otomana, iniciada no século XVI - ter-lhe á dito que seria, simplesmente, "a pior solução" para o país do norte de África.

Além de ligações antigas com a extrema-direita húngara, país de nascimento de seus pais, Sebastian Gorka é visto como estando empenhado em tornar-se enviado especial da presidência norte-americana para a Líbia. Um cargo que ainda nem sequer está previsto, mas que, desde já, começa a preocupar a diplomacia mundial.