O porta-voz de Donald Trump, Sean Spicer, demitiu-se esta sexta-feira. De acordo como jornal New York Times, a demissão está relacionada com a escolha de Anthony Scaramucci, um financiero de Wall Street e férreo apoiante de Donald Trump, para o cargo de diretor de comunicação da presidência norte-americana.

O jornal refere que Spicer discordou "veementemente" da nomeação de Scaramucci, que considera ser um "enorme erro".

Por sua iniciativa, Sean Spicer usou a rede Twitter para anunciar a demissão e afiançou que ainda vai trabalhar na Casa Branca em agosto.

O presidente Donald Trump louvou entretanto o desempenho do porta-voz demissionário, segundo refere a agência noticiosa Reuters.

A Casa Branca já anunciou que Sarah Huckabee Sanders, 34 anos, será a nova porta-voz da administração norte-americana. 

 

Cargo vago

Anthony Scaramucci, atualmente um quadro de uma instituição financeira, foi nomeado, segundo a agência noticiosa Reuters, no quadro das investigações em curso no Congresso sobre as influências e eventuais interferências russas nas eleições norte-americanas do ano passado. Deverá assumir as novas funções já no mês de agosto.

O cargo estava vago desde a demissão de Michael Dubke, em maio, que era o anterior diretor de comunicações da Casa Branca.

De então para cá, Sean Spicer vinha assumindo os papéis de porta-voz, assessor de imprensa e diretor de comunicações.

Fonte oficial da Casa Branca, que falou à Reuters sob anonimato, revelou que Scaramucci teve uma reunião com o presidente Donald Trump na manhã desta sexta-feira, na qual foi condidado para diretor de comunicação, cargo que aceitou.

Scaramucci tem sido um angariador de donativos para o partido Republicano. É fundador da empresa Skybridge Capital e terá sido convidado em tempos para assumir o cargo de embaixador norte-americano na OCDE, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico sediada em Paris.