O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, exigiu este domingo que os Estados Unidos clarifiquem se espiaram a União Europeia, como afirmou a revista Der Spiegel, que cita o ex-colaborador dos serviços secretos norte-americanos Edward Snowden.

«Estou profundamente preocupado e surpreendido», reconheceu Schulz num comunicado, no qual assegura que, «se as acusações forem verdadeiras, constitui um assunto muito grave que terá um grave impacto nas relações UE-Estados Unidos».

«Em nome do Parlamento Europeu exijo uma clarificação completa e [o fornecimento de] mais informação rapidamente das autoridades norte-americanas sobre estas acusações», adiantou.

Segundo a revista alemã Der Spiegel, a Agência Nacional de Segurança (NSA) dos Estados Unidos acedeu tanto a conteúdos de conversações confidenciais como a correios eletrónicos e arquivos de computadores das representações da UE em Washington.

Não foram escutas ou espionagem através de microfones no edifício, mas de uma rede informática interna, sublinha Der Spiegel, que cita uma das atas classificadas como extremamente confidenciais da NSA, de setembro de 2010, facilitada por Snowden.