Mais de um milhão de crianças subnutridas, com menos de cinco anos, vivem em zonas com alto risco de cólera, no Iémen. Segundo o The Guardian, o alerta foi feito, esta quarta-feira, pela organização Save The Children, que decidiu enviar para o local mais especialistas da área da saúde, sobretudo para as zonas mais atingidas.

O reforço de médicos e enfermeiros ocorre depois dos últimos números divulgados revelarem que uma epidemia mortal de cólera, que começou em abril de 2015, já infetou mais de 425 mil pessoas e matou quase duas mil.

A Save The Children refere que as crianças menores de 15 anos representam cerca de 44% dos casos novos de cólera e 32% das mortes, no Iémen. Além disso, com a guerra, os já elevados níveis de subnutrição no país continuam a aumentar.

A tragédia é que tanto a subnutrição como a cólera são tratadas facilmente, se houver acesso a cuidados de saúde básicos. Contudo, (no Iémen) os hospitais e as clínicas foram destruídas, os trabalhadores do governo da área da saúde não são pagos, há quase um ano, e a entrega de ajuda vital está a ser obstruída”, disse Tamer Kirolos, diretor da Save The Children do Iémen, de acordo com o The Guardian.

A cólera é uma infeção do intestino delgado, causada pela ingestão de alimentos ou água contaminados com a bactéria Vibrio Cholerae. Sem acesso aos tratamentos adequados, pode levar à morte, numa questão de horas.

O surto de cólera no Iémen levou as Nações Unidas a rever os seus cálculos sobre a população infetada e necessidade no terreno, na semana passada. Estimam agora que cerca de 20,7 milhões de habitantes do Iémen necessitam de assistência médica, contra os 18,8 milhões anteriores, numa população de 28 milhões.

Segundo o The Guardian, a Oxfam, uma confederação que reúne várias organizações que trabalham o tema da pobreza no mundo, veio também avisar que o número de pessoas infetadas com cólera pode aumentar para 600 mil: “o número mais elevado alguma vez registado em qualquer país, num único ano, desde que começámos a recolher dados”.

Atualmente, a Save The Children opera em 14 centros de tratamento de cólera, no Iémen, e em mais de 90 unidades de reidratação espalhadas pelo país, mas já aumentou a resposta e enviou mais especialistas em saúde para as áreas mais afetadas.

No Iémen, milhões de pessoas estão em situação de subnutrição, de acordo com as Nações Unidas.