«Trata-se de uma parceria internacional sem precedente que representa uma esperança para os doentes de finalmente terem um verdadeiro tratamento para uma doença que mata atualmente entre 50 a 80 por cento dos infetados», sublinhou Annick Antierens, que coordena os ensaios para os MSF.