A organização Médicos Sem Fronteiras (MSF) anunciou esta quinta-feira que vai começar os primeiros ensaios de três tratamentos clínicos da febre hemorrágica Ébola em três dos seus centros na Guiné-Conacri e na Libéria.

Os primeiros testes devem iniciar-se em dezembro e espera-se ter resultados em fevereiro, adiantaram os MSF.

Num comunicado, a organização não-governamental (ONG) indica que os testes visam encontrar uma terapia eficaz para a doença, cuja epidemia na África Ocidental já matou mais de 5.000 pessoas desde o início do ano.

«Trata-se de uma parceria internacional sem precedente que representa uma esperança para os doentes de finalmente terem um verdadeiro tratamento para uma doença que mata atualmente entre 50 a 80 por cento dos infetados», sublinhou Annick Antierens, que coordena os ensaios para os MSF.


Os ensaios dizem respeito ao medicamento antiviral brincidofovir, que será testado por investigadores da Universidade de Oxford no centro ELWA 3 de Monrovia, na Libéria, e ao antiviral favipiravir, cujos testes, a cargo do Instituto francês para a Saúde e a Investigação Médica (INSERM), serão realizados em Guéckédou, na Guiné-Conacri.

O Instituto de Medicina Tropical de Antuérpia, por seu turno, vai testar uma terapia à base de sangue e de plasma de convalescentes em Conacri.

A Organização Mundial de Saúde está associada aos ensaios.

«Como um dos principais operadores de cuidados de saúde na África Ocidental, os MSF participam nestes ensaios clínicos para dar aos que estão infetados uma maior hipótese de sobrevivência», disse Antierens.