Manifestantes que pedem a saída dos governadores de São Paulo e Rio de Janeiro bloquearam, na sexta-feira à noite, uma via da avenida Paulista, em São Paulo, vandalizaram sete bancos e grafitaram prédios, informou a imprensa brasileira.

De acordo com o jornal O Globo, na avenida Paulista, as imagens transmitidas pelo grupo Mídia Ninja mostraram alguns manifestantes a quebrar vidros das portas e janelas de bancos e destruindo uma base (pequena construção que abriga cerca de dois a três polícias) da polícia militar (PM).

Os manifestantes também queimaram sacos de lixo e tentaram, ainda, incendiar uma carrinha de uma emissora de televisão.

Um grupo de encapuzados, infiltrado no protesto que juntou, na sexta-feira à noite, cerca de 400 pessoas, numa marcha pela Avenida Paulista, no coração financeiro de São Paulo, destruiu mais de uma dezena de dependências bancárias e saqueou lojas, informaram as autoridades brasileiras.

De acordo com dados da Polícia Militar, uma centena de encapuzados, infiltrados entre os cerca de 400 manifestantes, destruíram com paus e pedras várias lojas da famosa avenida, principalmente agências dos bancos Itaú e Bradesco.

«Os polícias que se encontravam perto viram os atos de vandalismo, no entanto, não intervieram porque eram uma minoria em relação aos vândalos e também não queriam cometer uma repressão injusta para com as pessoas que protestavam pacificamente», disse à agência Efe um dos investigadores da seguradora bancária, que pediu para não ser identificado.