O governo sul-coreano e a companhia Asiana Airlines enviaram já neste domingo equipas para os Estados Unidos para investigarem o acidente do Boeing 777 acidentado na aterragem no aeroporto de São Francisco.

O avião, com 307 pessoas a bordo - 291 passageiros e 16 tripulantes - fazia a última ligação de um voo que começou em Xangai, parou em Seul e seguiu para os Estados Unidos.

Duas pessoas morreram, 181 ficaram feridas, 49 dos quais em estado grave, e uma pessoa continua desaparecida em números revelados pelas autoridades norte-americanas.

«A cauda do avião embateu na pista e a aeronave desviou para a esquerda, para fora da pista», referiu também o comunicado do Ministério dos Transportes sul-coreano, que revelou serem de nacionalidade chinesa as duas vítimas mortais - mais tarde ficou a saber-se que as duas joves tinham 16 anos.

As causas do acidente são ainda desconhecidas, mas o presidente da companhia aérea exclui por enquato falhas mecãnicas.

«Nesta altura, o conhecimento que temos é o de que não houve problemas no avião ou [nos seus] motores», afirmou Yoon Young-doo, mas recusando que isso queira implicar que possa ter havido falha humana.

[artigo atualizado às 17:15]