Um tribunal líbio condenou esta terça-feira um filho de Khadafi, Saif al Islam, à morte, noticia a Reuters.

Outras oito pessoas ligadas ao antigo ditador também foram condenadas à pena capital por crimes de guerra relacionados com a revolução que teve lugar no país em 2011. Entre estas, contam-se o chefe dos serviços secretos e o antigo primeiro-ministro, Baghdadi al-Mahmoudi. 

O filho de Khadafi não esteve, no entanto, presente no tribunal. Saif al Islam prestou depoimento por videoconferência. Encontra-se nas mãos de um grupo rebelde na cidade de Zintan, que se recusa a libertá-lo, acrescenta a BBC. O grupo opõe-se ao governo oficial líbio e não é reconhecido como força institucional pela comunidade internacional. 

Este filho de Khadafi era uma figura de grande relevo do regime líbio e visto como um possível sucessor do pai. 

Em julgamento, que começou há um ano, estava também outro irmão de Saif, Saadi. Ao todo, sentaram-se no banco dos réus 34 membros da elite que governava o país. Foram todos acusados de crimes contra a humanidade. Os irmãos Khadafi responderam também por roubo de bens públicos.

O julgamento foi contestado pelos grupos de defesa dos direitos humanos, com o argumento de que a Líbia não está em condições de realizar julgamentos, sobretudo com esta dimensão e com uma acusação tão complexa como crimes contra a humanidade.