Quase três anos depois da morte de um espião dos serviços secretos britânicos, descoberto em elevado estado de decomposição dentro de um saco de deporto na sua própria casa, a investigação concluiu que se tratou de uma morte acidental.

Ou seja, Gareth Williams, de 31 anos, ter-se-ia introduzido no saco, dentro da banheira vazia, e depois não conseguiu sair. Todavia, a família não concorda com esta versão dos factos e acha que o espião foi assassinado, escreve o «The Telegraph».

A Polícia Metropolitana de Londres, que conduziu as investigações à morte ocorrida em agosto de 2010, reconhece que «existem contradições» e tudo permanece no «campo das hipóteses», mas, o mais provável é que «infelizmente» se tenha tratado de uma morte acidental, noticia a BBC.

Estas conclusões vão contra os resultados de um inquérito divulgados em 2012, que concluíam que Gareth Williams foi assassinado e colocado dentro do saco. O «The Telegraph» mostra um vídeo que prova que é possível a uma pessoa meter-se num saco, mas que o processo não é fácil.

A investigação fica, no entanto, por agora arquivada.