Estamos na primavera e muitos dizem que é uma época de abundância. Mas, na verdade, não é bem assim. A maior abundância nos campos chega no verão. Em maio ainda é cedo para alguns vegetais e frutos, mas é nesta altura que arranca estação, escreve a Time na sua página.

“Em termos de negócio todos desejamos que todos os meses fossem como maio. É uma altura de mudança intensa. Marca o início oficial do verão das árvores de fruto”, afirma James Parker, responsável pelo departamento de compra de bens alimentares da cadeia norte-americana Whole Foods Market.

É também em maio que aumenta a produção local e regional nos Estados Unidos. “Como a produção é doméstica, os produtos não viajam tanto tempo. Este fato oferece melhor qualidade a um preço mais baixo”, garante a mesma fonte.

Em maio a produção ainda depende “muito da mãe natureza”, mas os produtos que escassearam no inverno começam a chegar. “Já existem em mais quantidade e são mais saborosos”, explica ainda James Parker.

Há alguns produtos, acrescenta este especialista, que, apesar de só atingirem o pico da produção em julho e agosto, é agora que são mais saborosos. Pelo menos é assim nos Estados Unidos. E quais são? Há cinco em destaque:

Milho: pico acontece em julho e agosto, mas o ideal é comprar o mais perto possível do local e da altura da sua produção. Quanto mais tempo estiver armazenado ou andar em viagem, mais perde o seu sabor doce.

Mirtilos: sabem sempre melhor quando compradas localmente. Neste mês, quando acontece a produção, são mais frescas e doces.

Alperce: este ano a meteorologia parece ter sido amiga do fruto e este mês já estão prontos a comer, logo após a apanha.

Cerejas: a época parece ter chegado um pouco mais cedo este ano, mas para quem não resiste ao seu doce, este é o mês ideal.

Abacate: eleito para as saladas de verão, em maio, a produção interna sobrepõe-se à externa. Produz-se mais do que se importa e, por isso, é uma altura de paladar garantido.