O comando militar ucraniano acusa as milícias separatistas pró-russas de terem violado, na noite de segunda-feira, por várias vezes, a trégua em vigor desde 15 de fevereiro no leste da Ucrânia.

Entre as 18:00 e as 24:00 (15:00 e 21:00 de segunda-feira em Lisboa), os separatistas lançaram um total de 20 ataques contra posições das forças governamentais, segundo afirmou uma parte do quartel-general das tropas ucranianas destacados na zona do conflito.

Segundo o comunicado, divulgado através do Facebook, na maioria dos ataques, os pró-russos usaram armas ligeiras, mas por seis vezes recorreram a morteiros e, numa ocasião, a artilharia pesada.

Ao mesmo tempo, e por outro lado, foi noticiado que os rebeldes separatistas libertaram 16 militares feitos reféns em janeiro. A libertação aconteceu em Marinka, uma pequena cidade perto de Donetsk. 

Os rebeldes garantem que já não existe qualquer militar em cativeiro.

Faz um ano que a Ucrânia está em guerra. O conflito eclodiu da contestação à liderança pró-ocidental de Kiev. O acordo de cessar-fogo anunciado a 18 de fevereiro está a ser difícil de manter por inteiro. Todos os dias há mortes a lamentar, entre soldados, civis e rebeldes.