Beslan Shavanov , um alegado suspeito da morte do político Boris Nemtsov, assassinado junto ao Kremlin, em Moscovo, ter-se-á suicidado este sábado.

De acordo com a agência noticiosa Interfax, citada pela Reuters, o homem de 30 anos fez-se explodir à chegada da polícia ao apartamento de Grozny. Atirou uma granada e rebentou num segundo, atestaram os testemunhos.

Beslan Shavanov era o sexto suspeito da morte do político russo. Outras cinco pessoas já foram detidas e duas delas formalmente acusadas do crime de homicídio, de acordo com a lei russa. Aparentemente, todos os homens são chechenos.

As autoridades russas querem ser céleres na resolução do caso de homicídio do político que era um feroz crítico de Vladimir Putin.

Boris Nemtsov, de 55 anos, morreu a 27 de fevereiro quando passeava com a namorada junto ao Kremlin, pouco depois de ter incitado o povo russo, numa entrevista, a ir para as ruas protestar contra a presença russa na Ucrânia.

A namorada, de 23 anos e aparentemente a única testemunha do homicídio, está sob proteção policial desde então.